Cartilha Fogão Geoagroecológico

A AGENDHA compreende a importância milenar do uso da lenha como biocombustível renovável, para preparação de alimentos, na maioria dos casos em fogões rústicos, pouco eficientes e que liberam muita fumaça e resíduos. Globalmente é a fonte de energia mais utilizada para esse fim, por comunidades e povos mais pobres e excluídas, de todas as civilizações. É muito grande o consumo total anual de energia para preparar alimentos nas residências do nordeste brasileiro. Equivale a queimar 3.370.000 Toneladas Equivalentes de Petróleo (TEP), medida internacionalmente utilizada para calcular os Balanços Energéticos Nacionais, comparando-se as diferentes fontes de energia.

A cartilha sobre Porque e Como Construir Fogões Geoagroecológicos, visa disseminar a importância e a forma de sua construção, utilização e manutenção. Que, associado ao manejo apropriado da lenha e a utilização de outros biocombustíveis vegetais do ambiente peridomiciliar, contribuem para a Convivência Sustentável com o Semiárido.

Confira esta publicação aqui.

Prefeitura Municipal de Paulo Afonso/BA apoia Feira da Agricultura Familiar realizada pela ONG AGENDHA

A ONG AGENDHA realizou nos dias 21 e 22 de dezembro, na Praça das Mangueiras, a Feira Feminista da Agricultura Familiar do Território Itaparica – BA. O evento contou com o apoio logístico da Prefeitura.

As atividades aconteceram a partir da 14h, no cenário do Projeto Natal Social, realizado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social. Os visitantes puderam apreciar e comprar peças de artesanatos utilitários e decorativos, frutas e alimentos produzidos na região, além de ver de perto 25 mulheres fazendo artes, produzindo alimentos, bordando, pintando, e ainda ouvir música ao vivo.

Nos dois dias de realização da feira, pela manhã, no Espaço Cultural Raso da Catarina, foram ministradas oficinas sobre economia solidária, agricultura familiar e violência contra a mulher.

Fonte: ASCOM/PMPA

[st-gallery id=”5888e39498a1b”]

ATER Sustentabilidade

Projeto de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Promoção da Sustentabilidade das Unidades Produtivas Familiares do Estado da Bahia

Nº CP. BA. 0000025-15 | Chamada Pública ATER SDR/BAHIATER Nº 001/2015

O Projeto ATER Sustentabilidade tem a finalidade de assessorar famílias/agroecossitemas, distribuídas em 6 municípios do Território de Identidade Itaparica/BA: Abaré, Chorrochó, Glória, Macururé, Paulo Afonso e Rodelas.

Entre os agroecossistemas estão agricultores e agricultoras familiares, povos indígenas, comunidades de fundo de pasto, pescadores artesanais, quilombolas, agroextrativistas e assentados da Reforma Agrária.

Os esforços do projeto são para incentivar e fortalecer os cultivos e criatórios agroecológicos ou em transição para este jeito de plantar e criar sustentavelmente, com base em relações socioambientais e de gênero.

Pretende-se assegurar, ainda que processualmente, a segurança alimentar e com os excedentes, os mercados diferenciados, institucionais e privados. Para tanto, o trabalho se efetiva em atividades individuais e coletivas, com diagnósticos e planejamento da unidade produtiva, visitas e oficinas de campo, intercâmbio entre as famílias agricultoras, capacitações, produção de materiais, fortalecimento das Organizações Socioprodutivas, bem como apoio para acesso às demais políticas públicas de fortalecimento da agricultura familiar.

É fundamental ficar em evidência que significativa parte das famílias atendidas são, prioritariamente, aquelas que a AGENDHA já desenvolve alguns trabalhos, dentre eles, o Projeto Mais Água (tecnologias sociais de captação e armazenamento de água – convivência com o Semiárido), como atividades que se complementam e contribuem decisivamente para a sustentabilidade no campo.

MAIS ÁGUA

Projeto Mais Água – Construção de Cisterna para Armazenamento de Água no Semiárido – Segunda Água

Contratos Nº 048/2014 e 049/2014 – Governo do Estado da Bahia/SDR/AGENDHA | Convênio MDS/SDR Nº 027/2013 – SESAN/SICONV Nº 796840/2013

O Projeto Mais Água tem como objetivo contribuir para a consolidação da segurança e da autonomia hídrica, alimentar e nutricional das famílias agricultoras e dos seus criatórios, através da construção e do desenvolvimento de estruturas hídricas diversificadas para captação, armazenamento e utilização sustentável da água pluvial; da realização de atividades de sensibilização e capacitação das famílias e do desenvolvimento de tecnologias sociais e práticas produtivas complementares, resultando em ações concretas para a vida sustentável no campo.

O projeto realiza formação e acompanhamento técnico para implantação das Tecnologias Sociais de Acesso a Água: Cisterna de Produção Calçadão (52 mil litros) e Barreiro Trincheira Familiar, para captar e reservar água de chuva para atender a demanda de água de uma família para a produção de alimentos e dessedentação animal, prioritariamente nas condições estabelecidas no Projeto de Referência instituído por meio da Instrução Operacional MDS nº 02/2013 e nº 04/2013.

Desenvolvimento de Quintais Produtivos e Serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) destinados a estruturação produtiva e articulação de políticas públicas para promoção da sustentabilidade das Unidades Produtivas Familiares (UPF).

Nos QUIPAS – Quintais Produtivos Agroecológicos são cultivadas fruteiras, hortas poupadoras de água com verduras e legumes, plantas medicinais, aromáticas e ornamentais. No entorno dos Barreiros Trincheiras são cultivadas forrageiras.

O primeiro Projeto Mais Água desenvolvido pela AGENDHA (concluído em maio de 2016) com apoio do Governo do Estado da Bahia, construiu 822 Tecnologias Sociais, sendo: 142 em Glória, 168 em Paulo Afonso, 102 em Rodelas, 211 em Jeremoabo e 199 em Santa Brígida.

O segundo Projeto, que ainda está em desenvolvimento, prevê:

  • Atuação 58 comunidades nos municípios Chorrochó, Glória, Paulo Afonso (Território de Itaparica), Jeremoabo e Santa Brígida (Território Semiárido Nordeste II).
  • Inclusão de 442 famílias agricultoras, numa média de 1.768 pessoas beneficiárias das ações do projeto.
  • Construção de 170 Barreiros Trincheiras Familiares (capacidade individual mínima/anual de 500.000 litros), somando no mínimo 85.000.000 de litros, possibilitando a cada família beneficiária uma autonomia hídrica produtiva equivalente a 62,5 carros pipas/ano.
  • Construção de 272 Cisternas de Produção tipo Calçadão (capacidade individual mínima/anual de 52.000 litros), somando no mínimo 14.144.000 de litros, possibilitando a cada família beneficiária uma autonomia hídrica produtiva equivalente a 6,5 carros pipas/ano.
  • Realização de 34 capacitações e 23 intercâmbios de experiências com as temáticas: Tipos e finalidades das tecnologias hídricas e complementares de convivência com o Semiárido; Uso eficiente da água da chuva para consumo humano, produção de alimentos e criação de animais; Cuidados com a água de consumo e de produção; Tecnologias associadas (canteiro Cama Baixa e Berço Fundo de Pote), práticas de produção e criatórios agroecológicos; Incentivo e valorização dos produtos da Biodiversidade; Sementes crioulas e banco de sementes; Cobertura vegetal e seca; Cuidados com o solo; Horticultura e cultivo de plantas e árvores nativas (frutíferas, condimentares, aromáticas, medicinais, ornamentais e forrageiras); Formas de irrigação ecológicas e econômicas (gotejamento e micro aspersor); Comercialização da produção excedente (acesso aos mercados local, diferenciado e institucional).

Quer saber mais? Clica no vídeo!

Mais Água no Âmbito do Plano Brasil Sem Miséria: Tecnologia Para Produção de Alimentos – Segunda Água

Convênio n° 248/2012 | SEDES/MDS (2012 – 2016)

O Projeto Mais Água teve por objetivo principal contribuir com a convivência sustentável com o Semiárido através da implantação de estruturas hídricas de captação, armazenamento e utilização de águas pluviais para a produção de alimentos; para a consolidação da segurança e da autonomia hídrica, alimentar e nutricional de famílias agricultoras dos municípios de Glória, Jeremoabo, Paulo Afonso, Rodelas e Santa Brígida (Arranjo 01); que com atividades e ações educativas participativas, provocasse agricultores e agricultoras a observarem os ciclos e as relações de coexistência nas Caatingas, contribuindo assim com a transmutação da ideia de infertilidade do Semiárido; e para iniciativas socioprodutivas que geram renda através da comercialização dos excedentes da produção nos mercados institucionais, diferenciados e privados, oportunizando a geração de renda e superação da pobreza.

Este projeto foi concluído em maio de 2016, e com apoio do Governo do Estado da Bahia, construiu 822 Tecnologias Sociais, sendo: 142 em Glória, 168 em Paulo Afonso, 102 em Rodelas, 211 em Jeremoabo e 199 em Santa Brígida.

Algumas considerações sobre o Projeto Mais Água:

  • Atuação 108 comunidades nos municípios Glória, Paulo Afonso e Rodelas (Território de Itaparica), Jeremoabo e Santa Brígida (Território Semiárido Nordeste II).
  • Inclusão de 1.043 famílias agricultoras, numa média de 4.172 pessoas beneficiárias das ações do projeto.
  • Implementação de 330 Barreiros Trincheira Familiares, com capacidade individual mínima/anual de 600.000 litros, somando no mínimo 198 milhões de litros, possibilitando a cada família beneficiária uma autonomia hídrica produtiva equivalente a 75 carros pipas/ano. Esta meta beneficia 61 comunidades.
  • Implementação de 24 Barreiros Trincheira Comunitários, com capacidade individual mínima/anual de 1.600.000 litros, que atenderão a um total aproximado de 240 famílias e somam mais de 38,4 milhões de litros armazenados, possibilitando a cada família beneficiária uma autonomia hídrica produtiva de pelo menos 20 carros pipas/ano. Esta meta beneficia 24 comunidades.
  • Limpeza em 54 Aguadas Comunitárias, com aumento da capacidade individual mínima/anual em 300.000 litros, atendendo a aproximadamente 270 famílias e somando mais de 16,2 milhões de litros armazenados, possibilitando a cada família beneficiária uma autonomia hídrica de pelo menos 7,5 carros pipas/ano. Esta meta beneficia 36 comunidades.
  • Construção de 305 Cisternas de Produção, com capacidade individual mínima/anual de 50.000 litros, somando no mínimo 15.250.000 de litros, possibilitando a cada família beneficiária uma autonomia hídrica produtiva equivalente a 6,25 carros pipas, ou 4.166 litros/mês. Esta meta beneficia 68 comunidades.
  • Implementação de 4 Tanques de Pedras, com capacidade individual mínima/anual de 500.000 litros, que atenderão a mais de 10 famílias cada um e somam mais de 2 milhões de litros armazenados, possibilitando a cada família beneficiária uma autonomia hídrica de pelo menos 12,5 carros pipas/ano. Esta meta beneficia 4 comunidades.
  • Implementação de 5 Barragens Subterrâneas, com capacidade individual mínima/anual de 10.000.000 litros. Atendendo-se mais de 5 famílias e somando mais de 50 milhões de litros armazenados no solo, o que possibilita a cada família beneficiária uma autonomia hídrica de pelo menos 250 carros pipas/ano, ou mais de 20,83 CTPs/mês. Esta meta beneficia 5 comunidades.
  • Desenvolvimento de 405 Quintais Produtivos Agroecológicos associados às Cisternas de Produção e aos Barreiros Trincheiras Familiares, para cultivo de plantas alimentares, condimentares, aromáticas e medicinais para segurança alimentar das famílias beneficiárias, além de forragens vivas para os criatórios. Esta meta beneficia 35 comunidades.
  • Realização de 54 capacitações práticas e 4 intercâmbios de experiências com as temáticas: Tipos e finalidades das tecnologias hídricas e complementares de convivência com o Semiárido; Uso eficiente da água da chuva para consumo humano, produção de alimentos e criação de animais; Cuidados com a água de consumo e de produção; Tecnologias associadas (canteiros Cama Baixa e Berço Fundo de Pote), práticas de produção e criatórios agroecológicos; Incentivo e valorização dos produtos da Biodiversidade; Sementes crioulas e banco de sementes; Cobertura vegetal e seca; Cuidados com o solo; Horticultura e cultivo de plantas e árvores nativas (frutíferas, condimentares, aromáticas, medicinais, ornamentais e forrageiras); Formas de irrigação ecológicas e econômicas (gotejamento e micro aspersor); Comercialização da produção excedente (acesso aos mercados local, diferenciado e institucional).

O Projeto Mais Água no Âmbito do Plano Brasil Sem Miséria: Tecnologias para Produção de Alimentos – Segunda Água foi concluído com 822 Tecnologias Sociais implantadas. Importante ressaltar que o projeto inicial previa a construção de 762 estruturas, mas pela eficiência, potencialização e bom uso dos recursos públicos aliados à capacidade técnica, foi possível construir mais 66 estruturas hídricas (Barreiros Trincheira Familiares).

Feira Agroecológica de Paulo Afonso

Aconteceu no dia 25 de outubro de 2015 em Paulo Afonso a 1ª. Feira Agroecológica em Paulo Afonso, que além de gêneros alimentícios (in natura e beneficiados), teve artesanatos e outros produtos dos saberes e da cultura do povo caatingueiro, e ainda espaço da para Educação Agroecológica (palestras temáticas) e Cultural, que ocorreram em paralelo.

Os Certificados encontram-se disponíveis na AGENDHA.