MAIS ÁGUA NO ÂMBITO DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA: TECNOLOGIA PARA PRODUÇÃO DE ALIMENTOS – SEGUNDA ÁGUA

Convênio n° 248/2012 | SEDES/MDS (2012 – 2016)

O Projeto Mais Água teve por objetivo principal contribuir com a convivência sustentável com o Semiárido através da implantação de estruturas hídricas de captação, armazenamento e utilização de águas pluviais para a produção de alimentos; para a consolidação da segurança e da autonomia hídrica, alimentar e nutricional de famílias agricultoras dos municípios de Glória, Jeremoabo, Paulo Afonso, Rodelas e Santa Brígida (Arranjo 01); que com atividades e ações educativas participativas, provocasse agricultores e agricultoras a observarem os ciclos e as relações de coexistência nas Caatingas, contribuindo assim com a transmutação da ideia de infertilidade do Semiárido; e para iniciativas socioprodutivas que geram renda através da comercialização dos excedentes da produção nos mercados institucionais, diferenciados e privados, oportunizando a geração de renda e superação da pobreza.

Este projeto foi concluído em maio de 2016, e com apoio do Governo do Estado da Bahia, construiu 822 Tecnologias Sociais, sendo: 142 em Glória, 168 em Paulo Afonso, 102 em Rodelas, 211 em Jeremoabo e 199 em Santa Brígida.

Algumas considerações sobre o Projeto Mais Água:

  • Atuação 108 comunidades nos municípios Glória, Paulo Afonso e Rodelas (Território de Itaparica), Jeremoabo e Santa Brígida (Território Semiárido Nordeste II).
  • Inclusão de 1.043 famílias agricultoras, numa média de 4.172 pessoas beneficiárias das ações do projeto.
  • Implementação de 330 Barreiros Trincheira Familiares, com capacidade individual mínima/anual de 600.000 litros, somando no mínimo 198 milhões de litros, possibilitando a cada família beneficiária uma autonomia hídrica produtiva equivalente a 75 carros pipas/ano. Esta meta beneficia 61 comunidades.
  • Implementação de 24 Barreiros Trincheira Comunitários, com capacidade individual mínima/anual de 1.600.000 litros, que atenderão a um total aproximado de 240 famílias e somam mais de 38,4 milhões de litros armazenados, possibilitando a cada família beneficiária uma autonomia hídrica produtiva de pelo menos 20 carros pipas/ano. Esta meta beneficia 24 comunidades.
  • Limpeza em 54 Aguadas Comunitárias, com aumento da capacidade individual mínima/anual em 300.000 litros, atendendo a aproximadamente 270 famílias e somando mais de 16,2 milhões de litros armazenados, possibilitando a cada família beneficiária uma autonomia hídrica de pelo menos 7,5 carros pipas/ano. Esta meta beneficia 36 comunidades.
  • Construção de 305 Cisternas de Produção, com capacidade individual mínima/anual de 50.000 litros, somando no mínimo 15.250.000 de litros, possibilitando a cada família beneficiária uma autonomia hídrica produtiva equivalente a 6,25 carros pipas, ou 4.166 litros/mês. Esta meta beneficia 68 comunidades.
  • Implementação de 4 Tanques de Pedras, com capacidade individual mínima/anual de 500.000 litros, que atenderão a mais de 10 famílias cada um e somam mais de 2 milhões de litros armazenados, possibilitando a cada família beneficiária uma autonomia hídrica de pelo menos 12,5 carros pipas/ano. Esta meta beneficia 4 comunidades.
  • Implementação de 5 Barragens Subterrâneas, com capacidade individual mínima/anual de 10.000.000 litros. Atendendo-se mais de 5 famílias e somando mais de 50 milhões de litros armazenados no solo, o que possibilita a cada família beneficiária uma autonomia hídrica de pelo menos 250 carros pipas/ano, ou mais de 20,83 CTPs/mês. Esta meta beneficia 5 comunidades.
  • Desenvolvimento de 405 Quintais Produtivos Agroecológicos associados às Cisternas de Produção e aos Barreiros Trincheiras Familiares, para cultivo de plantas alimentares, condimentares, aromáticas e medicinais para segurança alimentar das famílias beneficiárias, além de forragens vivas para os criatórios. Esta meta beneficia 35 comunidades.
  • Realização de 54 capacitações práticas e 4 intercâmbios de experiências com as temáticas: Tipos e finalidades das tecnologias hídricas e complementares de convivência com o Semiárido; Uso eficiente da água da chuva para consumo humano, produção de alimentos e criação de animais; Cuidados com a água de consumo e de produção; Tecnologias associadas (canteiros Cama Baixa e Berço Fundo de Pote), práticas de produção e criatórios agroecológicos; Incentivo e valorização dos produtos da Biodiversidade; Sementes crioulas e banco de sementes; Cobertura vegetal e seca; Cuidados com o solo; Horticultura e cultivo de plantas e árvores nativas (frutíferas, condimentares, aromáticas, medicinais, ornamentais e forrageiras); Formas de irrigação ecológicas e econômicas (gotejamento e micro aspersor); Comercialização da produção excedente (acesso aos mercados local, diferenciado e institucional).

O Projeto Mais Água no Âmbito do Plano Brasil Sem Miséria: Tecnologias para Produção de Alimentos – Segunda Água foi concluído com 822 Tecnologias Sociais implantadas. Importante ressaltar que o projeto inicial previa a construção de 762 estruturas, mas pela eficiência, potencialização e bom uso dos recursos públicos aliados à capacidade técnica, foi possível construir mais 66 estruturas hídricas (Barreiros Trincheira Familiares).