DEMONSTRAÇÕES DE MANEJO INTEGRADO DE ECOSSISTEMAS E DE BACIAS HIDROGRÁFICAS NA CAATINGA

Carta de Acordo nº 05/47 – 00002166 | MMA/PNUD/GEF (2005 – 2007)

O objetivo geral deste projeto foi o de implementar ações para promoção de sistemas de manejo florestal integrado sustentável de usos múltiplos, de comunicação e de capacitação, bem como o desenvolvimento de iniciativas de econegócios de produtos florestais, não madeireiros, por meio do apoio à coordenação regional, se constituindo como trabalho de ATER.

Desenvolveu suas ações no bioma Caatinga, partindo de iniciativas de utilização sustentável dos recursos naturais e a conservação da biodiversidade, como o apoio à criação do Corredor Ecológico da Caatinga* e Monumento Natural do Rio São Francisco** (Decreto S/N de 05 de junho de 2009); realização de estudo, pesquisa e capacitação para a sustentabilidade dos moradores do Complexo Arqueológico de Paulo Afonso, capacitando 60 famílias que viviam da atividade de quebra de pedras; e como iniciativa de desenvolvimento econômico sustentável e de produtos florestais não madeireiros, criando a Rede Bodega de Produtos Sustentáveis do Bioma Caatinga, que reúne 30 Organizações Produtivas e aproximadamente 3.147 famílias associadas de 5 estados: Alagoas, Bahia, Ceará, Pernambuco e Rio Grande do Norte.

Com a atuação deste projeto junto aos Povos e Comunidades Tradicionais, a AGENDHA consegue trazer para Paulo Afonso/BA o 1º Seminário de Povos e Comunidades Tradicionais da Bacia do São Francisco e se torna Agência Implementadora da CEX/DEX/MMA da Carteira de Projetos Tipo A***.

 

* O Corredor Ecológico da Caatinga é composto por 40 municípios do bioma Caatinga, estende-se pelos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Sergipe.

** Localizado nos municípios de Piranhas, Olho D’Água do Casado, Delmiro Gouveia (AL), Paulo Afonso (BA) e Canindé do São Francisco (SE).

*** Carteira de Projeto Tipo A está direcionada para fomentar ações de desenvolvimento da cadeia produtiva e o fortalecimento institucional, são de curto prazo (6 meses) e executados pelas Agências Implementadora. O aporte de recurso destinado para esta categoria de projeto não ultrapassa os R$ 5.000,00 (CEX/DEX/MMA, 2007).